Revista GeoInterações https://periodicos.apps.uern.br/index.php/RGI <p>A Revista Geointerações foi criada no ano de 2017 no âmbito do Departamento de Geografia e do Grupo de Pesquisa Ambiente &amp; Sociedade, da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, Campus Avançado de Assú. O seu objetivo é divulgar trabalhos científicos oriundos de pesquisas, artigos de revisão e/ou de natureza teórico-metodológica, além de resenhas de obras que tenham sido publicadas há, no máximo, 5 anos.</p> Universidade do Estado do Rio Grande do Norte - UERN pt-BR Revista GeoInterações 2526-3889 OS REFÚGIOS DA BIODIVERSIDADE NO SERIDÓ POTIGUAR - BRASIL, FRENTE A INSTALAÇÃO DE PARQUES EÓLICOS https://periodicos.apps.uern.br/index.php/RGI/article/view/5587 <p>À medida que os parques eólicos e fotovoltaicos avançam no semiárido brasileiro, surgem preocupações quanto aos impactos na biodiversidade da Caatinga, nas comunidades locais e no patrimônio cultural. Esta pesquisa avalia o contexto ambiental da implantação de parques eólicos no estado do Rio Grande do Norte, com foco especial nos refúgios de biodiversidade e nos sítios arqueológicos do Geoparque Seridó. Os resultados indicam conflitos preocupantes resultantes da instalação dos parques eólicos em áreas de alta prioridade para conservação, ressaltando a urgente necessidade de políticas de conservação que harmonizem o desenvolvimento energético com a proteção ecológica dessas áreas críticas. Além disso, sugere-se a criação de unidades de conservação na região, destacando algumas áreas, particularmente nas áreas serranas, tais como exemplo a Serra da Formiga em Caicó e o Complexo de Acari-Carnaúba dos Dantas, como estratégia para atenuar os efeitos das mudanças climáticas e o avanço do processo de desertificação, protegendo a biodiversidade regional e os bens culturais. Esta abordagem apresenta um panorama interessante do contexto regional do Seridó potiguar, o qual deve ser considerado na formulação de novas políticas de conservação ambiental e no planejamento territorial no semiárido potiguar. </p> Manoel Cirí­cio Pereira Neto Damião Valdenor de Oliveira Joadson Vagner Silva Copyright (c) 2024 Revista GeoInterações 2024-03-01 2024-03-01 8 1 10.59776/2526-3889.2024.5587 ENTRE AEROGERADORES E VULNERABILIDADE SOCIAL: O CASO DA REGIÃO DO MATO GRANDE, RIO GRANDE DO NORTE https://periodicos.apps.uern.br/index.php/RGI/article/view/5683 <p>O crescimento da atividade eólica no território do Rio Grande do Norte é expressiva na dinâmica espacial e na paisagem de algumas regiões potiguares, entre elas o Mato Grande. Essa região apresenta significativa concentração de empreendimentos eólicos em operação comercial e em construção, juntamente com um quadro de vulnerabilidade social e desigualdades territoriais. Assim, o presente artigo busca discutir a relação entre os usos territoriais oriundos do setor eólico na vulnerabilidade social presente na região do Mato Grande. A metodologia adotada denota a pesquisa uma natureza quali quantitativa, sendo as fases operacionais do estudo estruturadas em três vertentes: pesquisa bibliográfica, a pesquisa documental e o estudo de campo. A partir disso, é expressiva a baixa influência da atividade eólica na promoção de ativos sociais nas comunidades rurais da região do Mato Grande, em particular nos ativos renda e trabalho, que são as principais demandas dos moradores locais. Também foi notória a falta de impacto das ações mitigadoras realizadas pelas empresas do ramo eólico, com atuação limitada a ações educativas em escolas e pequenas reformas em espaços coletivos. À vista disso, a atividade eólica continua em expansão em território socialmente vulnerável, com baixo impacto na diminuição da vulnerabilidade local e no atendimento das demandas socioeconômicas dos territórios afetados diretamente pela geração de energia eólica.</p> Rafael Aguiar da Silva Francisco Fransualdo de Azevedo Copyright (c) 2024 Revista GeoInterações 2024-03-01 2024-03-01 8 1 DINÂMICA DE USO E COBERTURA DO SOLO NO MUNICÍPIO DE ANANÁS, TOCANTINS (2010-2020) https://periodicos.apps.uern.br/index.php/RGI/article/view/5079 <p>O presente texto teve como objetivo analisar a dinâmica do uso e cobertura do solo no município tocantinense de Ananás, com vistas a produção de informações que corroborem com o planejamento do território e a conservação ambiental. Para a elaboração dos mapas desta pesquisa, foram utilizadas imagens dos anos de 2010 e 2020, respectivamente dos satélites Landsat 5, sensor Themathic Mapper – TM, e Landsat-8, sensor Operacional Land Imager – OLI, sendo estas adquiridas de forma gratuita no website do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). Para o processamento das imagens utilizou-se os Sistemas de Informações Geográficas Spring, versão 5.4.3 e o QGIS versão 3.18. Os resultados mostram que o município de Ananás vem sofrendo acelerada transformação da paisagem, visto que a pecuária ocupa 47,64% do território analisado, somase essas mudanças a implantação de projetos de silvicultura, sobretudo o eucalipto com 2,73% e a influência urbana com 0,25%, o que indica uma tendência a homogeneização dessas atividades econômicas [pecuária e silvicultura] no norte tocantinense, especificamente em Ananás. Assim, considera-se importante e urgente, investir/implementar políticas públicas governamentais para o uso diversificado do solo, com ações que valorizem a conservação ambiental aliada a agroecologia e as demais atividades econômicas do Estado, a exemplo da agricultura camponesa.</p> Maria Marciene Costa da Silva Maurício Ferreira Mendes Elias da Silva Copyright (c) 2024 Revista GeoInterações 2024-03-01 2024-03-01 8 1 A RELAÇÃO ENTRE SOCIEDADE E NATUREZA EM ÁREAS VERDES URBANAS DURANTE A PANDEMIA DA COVID 19: https://periodicos.apps.uern.br/index.php/RGI/article/view/5089 <p>Este artigo apresenta um estudo comparativo sobre a percepção de visitantes do Parque Estadual Dunas de Natal (PEDN) e Parque Municipal Maurício de Oliveira (PMMO), em relação a importância das áreas verdes urbanas e o seu uso no período de pandemia da COVID 19. As entrevistas foram realizadas simultaneamente nos dois parques em outubro de 2021, sendo entrevistados 50 visitantes no PEDN e 50 visitantes no PMMO. Os resultados mostraram muitas convergências entre os entrevistados dos dois parques a exemplo do reconhecimento da importância das áreas verdes para a sociedade, a sensação de baixo risco de contágio, a importância das medidas sanitárias de controle e o necessário fechamento dos parques em momentos de maior contágio e mortes. Contudo, em um cenário de ampliação da vacinação e redução de contágio e mortes, mesmo que surjam novas variantes do coronavírus, os entrevistados, em sua maioria, concordam que os parques devem se manter abertos.</p> Rodrigo Guimarães de Carvalho Maria Alice de Sousa Paiva Ilton Araújo Soares Silvana Praxedes de Paiva Gurgel Débora de Macêdo Medeiros Marlene Yara Tenório Soares de Oliveira Copyright (c) 2024 Revista GeoInterações 2024-03-01 2024-03-01 8 1 10.59776/2526-3889.2024.5089 PERCEPÇÃO DA AGRICULTURA NO MUNICÍPIO DE LUCRÉCIA-RN: https://periodicos.apps.uern.br/index.php/RGI/article/view/4549 <p>Devido os problemas ocasionados pela inovação tecnológica e pela pandemia, a produção rural se tornou um dos setores-chave para a sustentabilidade, pois suas atividades têm influência direta e indireta na qualidade de vida das pessoas, bem como na manutenção do equilíbrio ambiental. Dessa forma, a agricultura sustentável busca a eficiência produtiva e o uso responsável dos recursos naturais para atender a uma crescente demanda mundial por alimentos. A pesquisa teve como objetivo avaliar os métodos produtivos nos processos produtivos na agricultura do município de Lucrécia-RN, e os impactos da pandemia de Covid-19 na agricultura. Esta pesquisa é subsidiada por jornada de campo e referências bibliográficas, mediante a observação das práticas agrícolas adotadas pelos agricultores. Diante dos dados constatou-se que os produtores adotam o modelo de agricultura convencional, com utilização produtos químicos para combater as pragas e doenças da produção e tração mecanizadas no manejo do solo. Diante do cenário negativo provocado pela pandemia, os agricultores tiveram que buscar alternativas para a comercialização de seus produtos. Verificou-se, uma carência em relação à assistência técnica e o baixo nível de escolaridade que vem dificultando à busca de conhecimentos técnicos e a aplicação de práticas sustentáveis.</p> Ingrid Eduarda Alves Paiva Adriana Maria Alves Copyright (c) 2024 Revista GeoInterações 2024-03-01 2024-03-01 8 1 10.59776/2526-3889.2024.4549 ANÁLISE DA PRODUÇÃO, GESTÃO E GERENCIAMENTO DO LIXO URBANO NO BRASIL E SUAS REGIÕES (2009-2021) https://periodicos.apps.uern.br/index.php/RGI/article/view/5483 <p>A geração crescente de lixo é um dos problemas ambientais que se constata em todo o mundo. No caso do Brasil, a quantidade de resíduos sólidos produzidos pela população cresce exponencialmente. A esse respeito, Calderoni (1998) e outros autores explicam que é preciso avançar na temática para ampliar a compreensão sobre as múltiplas dimensões do problema. Nesse sentido, o objetivo deste artigo foi analisar a evolução da produção do lixo, bem como a sua gestão no Brasil e suas regiões entre os anos de 2009 e 2021, abrangendo o período antes e depois da implantação da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), em 2010. Para tanto, na metodologia, recorremos a revisão de parte da bibliografia que trata sobre o tema e a sistematização e análise dos dados secundários dos panoramas estatísticos anuais produzidos pela ABRELPE. Em linhas gerais, os resultados do estudo evidenciam que a situação do lixo está longe de se resolver, principalmente com relação a sua destinação final. Em 2021, mais da metade dos municípios do Brasil (50,7%), equivalente a 2.826 localidades, ainda faziam a destinação inadequada do lixo, sendo a situação mais grave nos municípios das regiões Norte (78,7%) e Nordeste (71,3%), seguidos pelos do Centro-Oeste (62,5%), Sudeste (46,8%) e Sul (10,1%). Além disso, constatou-se que a quantidade produzida de lixo continua crescendo anualmente no século XXI e o reaproveitamento está abaixo das metas estabelecidas após a promulgação da PNRS. Portanto, corroborando os achados da CGU (2023) e de Magera (2012), conclui-se que a reciclagem no Brasil está longe de ser universalizada. Tais evidências sinalizam para a necessidade de ampliação e aprimoramento das políticas governamentais implementadas, visando reduzir os impactos ambientais e ampliar os benefícios socioeconômicos da gestão e gerenciamento sustentável do lixo urbano no território brasileiro.</p> Emanoela Carneiro Nunes Joacir Rufino de Aquino Raimundo Inácio da Silva Filho Maurício Miranda Copyright (c) 2024 Revista GeoInterações 2024-03-01 2024-03-01 8 1 10.59776/2526-3889.2024.5483