MUDANÇAS CLIMÁTICAS, CAPACIDADE ADAPTATIVA E SUSTENTABILIDADE: REFLEXÕES A PARTIR DAS CIDADES DA REGIíO SEMIÁRIDA BRASILEIRA

Autores

Palavras-chave:

Agenda 2030, Ordenamento territorial, Energias renováveis, Semiárido brasileiro, Capacidade adaptativa climática

Resumo

As mudanças climáticas são uma grande, se não a maior, problemática socioambiental contemporânea, impactando, em especial, as populações e os territórios que estão em condição de vulnerabilidade, como é o caso daqueles que vivem na região semiárida do Brasil. Nesse sentido, objetiva-se, com este artigo, refletir sobre os desafios impostos pelas mudanças climáticas no semiárido brasileiro, de modo a analisar quais os caminhos que as cidades desse território têm adotado na construção e efetivação da capacidade adaptativa climática como estratégia de sustentabilidade. Para isso, a metodologia deste artigo segue as orientações de uma abordagem de natureza qualitativa, fazendo uso de pesquisas bibliográficas e documental, e coleta de dados secundários enquanto instrumentos de pesquisa. A partir da análise e discussão dos resultados, observa-se que enfrentar os efeitos das mudanças climáticas no semiárido do Brasil é ainda um grande e complexo desafio para as cidades desse território. Muito embora contem com as energias renováveis (eólica e solar, por exemplo) como grandes potencializadores para enfrentar as mudanças climáticas locais, essas cidades não apresentam a adaptação climática estratégia de gestão urbana e ambiental. Dessa forma, pode-se concluir que a construção e efetivação da capacidade adaptativa climática como alternativa no alcance de um futuro sustentável ainda está longe de se configurar como agenda estratégica das gestões urbanas e ambientais das cidades do semiárido brasileiro, sobretudo no atual contexto em que se vivencia uma marginalização das questões ambientais e climáticas na agenda governamental federal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rylanneive Leonardo Pontes Teixeira, Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)

Doutorando (2019-) e mestre (2019) em Estudos Urbanos e Regionais pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (PPEUR/UFRN). Graduado (2015) em Gestão de Polí­ticas Públicas pela mesma instituição, com mobilidade acadêmica internacional (2014-2015) no curso de Administração Pública na Universidade de Aveiro (Portugal). Revisor de periódicos cientí­ficos. Organizador do dossiê temático Ambiente e Sociedade da Revista Abordagens (UFPB). Atualmente, é pesquisador integrante do Laboratório Interdisciplinar Sociedades, Ambientes e Territórios (LISAT/UFRN) e colaborador do Núcleo Natal do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia Observatório das Metrópoles (INCT-OM) e do Núcleo de Apoio í  Pesquisa em Mudanças Climáticas (INCLINE/USP). Tem experiência nas áreas de Polí­ticas Públicas e Planejamento Urbano e Regional, atuando sobretudo em estudos com ênfase nas seguintes temáticas: questões socioambientais contemporâneas; meio ambiente, sustentabilidade e polí­ticas públicas; vulnerabilidade e risco socioambientais; gestão de riscos e planejamento urbano; população e meio ambiente; polí­ticas públicas e agenda climática; cidades e capacidade adaptativa í s mudanças climáticas; mudanças climáticas, energias renováveis e descarbonização. Além disso, tem interesse na área de Metodologia Cientí­fica.

Zoraide Souza Pessoa, Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)

Doutora em Ambiente e Sociedade pela Unicamp (2012), Mestre (2003) e Graduada (2000) em Ciências Sociais e Especialização em Demografia (2005) pela UFRN. Atualmente é professora adjunta do Departamento de Polí­ticas Públicas e do Programa de Pós-Graduação em Estudos Urbanos e Regionais da UFRN. Coordena o Laboratório Interdisciplinar Sociedades, Ambientes e Territórios (LISAT) na UFRN. É pesquisadora da Rede Observatório das Metrópoles - Núcleo RMNATAL, do Grupo de Pesquisa Estado e Polí­ticas Públicas UFRN), do Núcleo de Estudos Socioambientais e Territoriais (UERN) e do Grupo de Estudos em Gestão Ambiental (UERN). Desenvolve pesquisas com foco em questões socioambientais contemporâneas, de sustentabilidade, polí­ticas públicas, planejamento regional e governança ambiental. Territórios, riscos,vulnerabilidades, resiliência, mudanças climáticas e adaptação. Cidades e Metrópoles. Alternativas Energética e Hí­drica. Identidade e Percepção socioambientais. Participação e Movimentos socioambientais. População e Meio Ambiente.

Eric Mateus Soares Dias, Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)

Bacharel em Gestão Ambiental (UERN), Mestre e Doutorando em Estudos Urbanos e Regionais (PPEUR/UFRN). Pesquisador no Laboratório Interdisciplinar Sociedades, Ambientes e Territórios (LISAT/UFRN). Experiência em projetos socioambientais e educação ambiental.

Edilza Paula Queiroz Alves, Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)

Graduada em Gestão de Polí­ticas Públicas pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN. Atuou como Bolsista de Iniciação Cientí­fica no projeto: Polí­ticas Públicas, Vulnerabilidade Socioambiental e Sustentabilidade Urbana nas Cidades de Natal e Mossoró, RN – Brasil (2014); estagiou na Secretaria Municipal de Saúde de Natal (2015). É Mestre pelo Programa de Pós - Graduação em Estudos Urbanos e Regionais/PPEUR - UFRN/ NATAL com intercâmbio no Rio de Janeiro pelo Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional da Universidade Federal do Rio de Janeiro (IPPUR). Atuou como bolsista do Observatório das Metrópoles no projeto AS METRÓPOLES E O DIREITO À CIDADE: conhecimento, inovação e ação para o desenvolvimento urbano, no Projeto 1 Organização do espaço urbano-metropolitano, durante o perí­odo de dezembro de 2017 a janeiro de 2019. Colaboradora do Observatório das Metrópoles - Núcleo Natal e 
Pesquisadora do Laboratório Interdisciplinar Sociedades, Ambientes e Territórios / LISAT e revisora de periódicos cientí­ficos.

Referências

AMBRIZZI, T. et al. Cenários regionalizados de clima no Brasil para o Século XXI: Projeções de clima usando três modelos regionais. Relatório 3, Ministério do Meio Ambiente – MMA, Secretaria de Biodiversidade e Florestas – SBF, Diretoria de Conservação da Biodiversidade – DCBio Mudanças Climáticas Globais e Efeitos sobre a Biodiversidade – Sub projeto: Caracterização do clima atual e definição das alterações climáticas para o território brasileiro ao longo do Século XXI. Brasí­lia: 2007. Disponí­vel em: <http://mudancasclimaticas.cptec.inpe.br/~rmclima/pdfs/prod_probio/Relatorio_3.pdf>. Acesso em: 07 jul. 2020.

ANEEL – Associação Nacional de Energia Elétrica. Sistema de Informações de Geração da ANEEL (SIGA). Brasí­lia:

ANEEL, 2020. Disponí­vel em: <https://app.powerbi.com/view?r=eyJrIjoiNjc4OGYyYjQtYWM2ZC00YjllLWJlYmEtYzdkNTQ1MTc1NjM2IiwidCI6IjQwZDZmOWI4LWVjYTctNDZhMi05MmQ0LWVhNGU5YzAxNzBlMSIsImMiOjR9>. Acesso em: 09 jul. 2020.

ANGELOTTI, F.; Sí, I. B.; MELO, R. F de. Mudanças Climáticas e Desertificação no Semi-írido Brasileiro. In:

ANGELOTTI, F.; Sí, I. B; Pellegrino, G. Q. (Orgs.). Mudanças Climáticas e Desertificação no Semi-írido Brasileiro. Petrolina: Embrapa Semiárido, 2009, p. 41-52.

ANGELOTTI, F.; FERNADES JR., P. I.; SA, I. B. Mudanças Climáticas no Semiárido Brasileiro: Medidas de Mitigação e Adaptação. Revista Brasileira de Geografia Fí­sica, v. 4, p. 1097-1111, 2011.

ANHALT, J. Tecnologias Renováveis para o Semiárido. In: OTTERLOO, Aldalice et al. (Orgs.). TECNOLOGIAS SOCIAIS: caminhos para a sustentabilidade. Brasí­lia: s. n., 2009, p. 237-245.

ASSIS, F. R. V. et al. índice de Vulnerabilidade Ambiental na Microbacia do Talhado, Santa Luzia, Paraí­ba. Acta Brasiliensis, v. 1, n. 3, p. 8-16, 2017.

AYLETT, A. Progress and Challenges in the Urban Governance of Climate Change: Results of a Global Survey. Cambridge, MA: MIT, 2014.

BAI, X. et al. Six research priorities for cities and climate change. Nature Climate Change, 555, pp. 23-25, 2018.

BECKER, B. K. Sí­ntese das contribuições da oficina da Polí­tica Nacional de Ordenamento Territorial. In: Para pensar uma polí­tica nacional de ordenamento territorial. Anais da Oficina sobre a Polí­tica Nacional de Ordenamento Territorial. Brasí­lia, 13-14 de novembro de 2003. Ministério da Integração Nacional / Secretaria de Polí­ticas de Desenvolvimento Regional, 2005.

BRAGA, R. Mudanças climáticas e planejamento urbano: uma análise do Estatuto da Cidade. In: VI Encontro Nacional da Anppas. Belém: Anais..., 2012.

BRASIL – Ministério da Integração Regional. Para pensar uma polí­tica nacional de ordenamento territorial: Anais da Oficina sobre a Polí­tica Nacional de Ordenamento Territorial, Brasí­lia, 13-14 de novembro de 2003/Ministério da Integração Nacional, Secretaria de Polí­ticas de Desenvolvimento Regional (SDR). – Brasí­lia: MI, 2005. 78p. Disponí­vel em: <https://www.mdr.gov.br/images/stories/ArquivosSNPU/Biblioteca/publicacoes/ordenamento_territorial.pdf>. Acesso em: 30 abr. 2020.

BRASIL – Ministério do Meio Ambiente. Plano Nacional de Adaptação í Mudança do Clima: Sumário Executivo. Brasí­lia: PNA, 2016. Disponí­vel em: <https://www.mma.gov.br/images/arquivo/80182/LIVRO_PNA_Resumo%20Executivo_.pdf>. Acesso em: 30 abr. 2020.

BULKELEY, H. et al. Cities and climate change: the role of institutions, governance and urban planning. In: WORLD BANK 5TH URBAN SYMPOSIUM ON CLIMATE CHANGE. Marseille: Anais..., 2009.

BULKELEY, H.; BROTO, V. C. Government by experiment? Global cities and the governing of climate change. Transactions of the institute of British geographers, v. 38, n. 3, p. 361-375, 2013.

CERRI, C. C.; CERRI, C. E. P. Agricultura e aquecimento global. Boletim Informativo da SBCS, v.23, p. 40-44, 2007.

CASTRO, A. S.; CAVALCANTE, A. M. B. Flores da Caatinga. Campina Grande: Instituto Nacional do Semiárido – INSA, 2011. 116p.

CAVALCANTI, E. Vulnerabilidade, Adaptação e Capacidade Adaptativa. In: FURTADO, F.; PRIORI, L.; ALCÂNTARA, E. (Orgs.). Mudanças Climáticas e Resiliência de Cidades. Refice: Pickimagem, 2015, p. 75-86.

DARELA FILHO, J. P. et al. Socio-climatic hotspots in Brazil: how do changes driven by the new set of IPCC climatic projections affect their relevance for policy?. Climatic Change, v. 136, p. 413-425, 2016.

DESLAURIERS, J.; KÉRISIT, M. O delineamento de pesquisa qualitativa. In: A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos, v. 2, p. 127-53, 2008.

DI GIULIO, G. M. et al. Bridging the gap between will and action on climate change adaptation in large cities in Brazil. Regional Environmental Change, v. 19, n. 8, p. 2491-2502, 2019.

DODMAN, D. Blaming cities for climate change? An analysis of urban greenhouse gas emissions inventories. Environment and urbanization, v. 21, n. 1, p. 185-201, 2009.

EAKIN, H., LEMOS, M. C.; NELSON, D. Differentiating capacities as a means to sustainable climate change adaptation. Global Environmental Change, v. 27, p. 1-8, 2014.

FREITAS, J. C. de. et al. Energias Renováveis, Clima e Mudanças Climáticas. Revista Gestão & Sustentabilidade Ambiental, v. 4, p. 317-329, 2015.

GIDDENS, A. A polí­tica da mudança climática. Trad. Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Zahar. 2010. 314 p. Tradução de: The politics of climate change.

GONDIM, J. et al. A seca atual no Semiárido nordestino–Impactos sobre os recursos hí­dricos. Parcerias Estratégicas, v. 22, n. 44, p. 277-300, 2017.

GRAY, C.; MUELLER, V. Drought and population mobility in rural Ethiopia. World development, v. 40, n. 1, p. 134-145, 2012.

HARVEY, D. A produção capitalista do espaço. São Paulo: Annablume, 2005.

HOFSTAETTER, M.; PESSOA, Z. S. Impactos Socioambientais e Regionais da Energia Eólica no Rio Grande do Norte. In: 7º Encontro Nacional da Anppas. Anais..., 2015a.

HOFSTAETTER, M.; PESSOA, Z. S. ENERGIA EÓLICA: um novo debate, entre defesas e contradições. In: VII Jornada Internacional de Polí­ticas Públicas. Anais..., 2015b.

HOGAN, D. J. População e mudanças ambientais globais. In: HOGAN, D. J.; MARANDOLA JR., E. (Org.). População e mudança climática: dimensões humanas das mudanças ambientais globais. Campinas: Ed. Unicamp, 2009, p. 11-24.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatí­stica. Censo 2010. Brasí­lia: IBGE, 2010. Disponí­vel em: <https://censo2010.ibge.gov.br/>. Acesso em: 05 jul. 2020.

IPCC – Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas. Climate Change 2007: Impacts, Adaptation and Vulnerability. United Kingdom: Crown. 2007 – Contribution of Working Group II to the Fourth Assessment Report of the Intergovernmental Panel on Climate Change. 2007. Disponí­vel em: <https://www.ipcc.ch/site/assets/uploads/2018/03/ar4_wg2_full_report.pdf>. Acesso em: 28 abr. 2020.

LECK, H.; ROBERTS, D. What lies beneath: understanding the invisible aspects of municipal climate change governance. Current Opinion in Environmental Sustainability, v. 13, p. 61-67, 2015.

MADEIROS, H.; GRIGIO, A.; PESSOA, Z. Desigualdades e justiça ambiental: um desafio na construção de uma cidade resiliente. GOT, Revista de Geografia e Ordenamento do Território, n. 13, p. 247-265, 2018.

MARENGO, J. A. Vulnerabilidade, impactos e adaptação í mudança do clima no semiárido do Brasil. Parcerias Estratégicas, vol. 13, n. 27, p. 149-176, 2008.

MARENGO, J. A. et al. Future change of temperature and precipitation extremes in South America as derived from the PRECIS regional climate modeling system. International Journal of Climatology: A Journal of the Royal Meteorological Society, v. 29, n. 15, p. 2241-2255, 2009.

MARENGO, J. A. et al. Variabilidade e mudanças climáticas no semiárido brasileiro. Instituto Nacional do Semiárido, Campina Grande – PB, v. 1, p. 383-422, 2011.

MARICATO, E. Meio Ambiente e Reforma Urbana. Meio Ambiente e Reforma Urbana. Setembro, 1994.

MARICATO, E. Metrópole, legislação e desigualdade. Estudos avançados, v. 17, n. 48, p. 151-166, 2003.

MARICATO, E. The future of global peripheral cities. Latin American Perspectives, v. 44, n. 2, p. 18-37, 2017.

MARTINS, R. D. A.; FERREIRA, L. da C. Uma revisão crí­tica sobre cidades e mudança climática: vinho velho em garrafa nova ou um novo paradigma de ação para a governança local?. Revista de Administração Pública, v. 45, n. 3, p. 611-641, 2011.

MORAES, A. C. R. Ordenamento territorial: uma conceituação para o planejamento estratégico. In: MORAES, A. C. R. (Org.). Meio ambiente e ciências humanas. 4ª. ed. São Paulo: Annablume, p. 139-149, 2005.

OJIMA, R. Urbanização, dinâmica migratória e sustentabilidade no semiárido nordestino: o papel das cidades no processo de adaptação ambiental. Cadernos Metrópole, v. 15, n. 29, p. 35-54, 2013.

ONU – Organização das Nações Unidas. 17 objetivos para transformar o nosso mundo. Nova Iorque: ONU, 2015. Disponí­vel em: <https://nacoesunidas.org/pos2015/>. Acesso em: 23 out. 2017.

PBMC – Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas. SUMíRIO EXECUTIVO – IMPACTOS, VULNERABILIDADES E ADAPTAÇíO. Contribuição do Grupo de Trabalho 2 ao Primeiro Relatório de Avaliação Nacional do Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas. Rio de Janeiro: PBMC, 2013. 28 p. Disponí­vel em: <http://www.pbmc.coppe.ufrj.br/documentos/GT2_sumario_portugues_v2.pdf>. Acesso em: 25 jun. 2020.

RÜCKERT, A. A. Reforma do Estado, reestruturações territoriais, desenvolvimento e novas territorialidades. GEOUSP - Espaço e Tempo, São Paulo, n. 17, p. 79-94, 2005.

RÜCKERT, A. A. A Polí­tica Nacional de Ordenamento Territorial, Brasil. Uma polí­tica territorial contemporânea em construção. Scripta Nova: revista electrónica de geografí­a y cienciassociales, v. 11, 2007.

RYAN, D. From commitment to action: a literature review on climate policy implementation at city level. Climatic Change, v. 131, n. 4, p. 519-529, 2015.

SALAZAR, L. F.; NOBRE, C. A.; OYAMA, M. D. Climate change consequences on the biome distribution in tropical South America. Geophysical Research Letters, v. 34, n. 9, 2007.

SANTOS, M. A urbanização brasileira. 5. ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2005.

SATTERTHWAITE, D. Climate change and urbanization: Effects and implications for urban governance. In: United Nations Expert Group meeting on population distribution, urbanization, internal migration and development. DESA New York, 2008. p. 21-23.

SILVA, A. L. de S.; SILVA, L. C. S.; PESSOA, Z. S. Energia Eólica e Solar: Produção no Brasil e o impacto socioambiental nos municí­pios do Rio Grande do Norte (RN). In: Encontro Nacional de Ensino e Pesquisa do Campo de Públicas (ENEPCP), 3. Anais..., 2019.

SILVA, P. C. G. da. et al. Caracterização do Semiárido brasileiro: fatores naturais e humanos. In: Sí, I.B.; SILVA, P.C.G. da. (Orgs.). Semiárido Brasileiro: Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação. 1. ed. Brasí­lia: Embrapa Informação Tecnológica, 2010, v. 1, p. 17-48.

SUDENE – SUPERINTENDÊNCIA DO DESENVOLVIMENTO DO NORDESTE. NOTA TÉCNICA Nº 05/2017/CGDS/DPLAN/SUDENE. Recife: SUDENE, 2017, 5p. Disponí­vel em: <http://sudene.gov.br/images/2017/arquivos/NOTA_T%C3%89CNICA_n%C2%BA__05_-_2017.pdf>. Acesso em: 09 jul. 2020.

TEIXEIRA, R. L. P.; PESSOA, Z. S. MUDANÇAS CLIMíTICAS, EXPERIMENTAÇíO DE POLíTICAS PÚBLICAS E CAPACIDADE ADAPTATIVA NA CIDADE DE CURITIBA/PR-BRASIL. Revista Inter-Legere, v. 3, n. 27, p. 1-28, 2020.

TEIXEIRA, R. L. P.; PESSOA, Z. S.; DI GIULIO, G. M. Mudanças Climáticas E Capacidade Adaptativa no Contexto da Cidade Do Natal/RN, BRASIL. Revista Geotemas, v. 10, n. 1, p. 95-115, 2020.

TORRES, R. R. et al. Socio-climatic hotspots in Brazil. Climatic change, v. 115, n. 3-4, p. 597-609, 2012.

VERGOLINO, J. R.; DANTAS, M. Os determinantes do processo de urbanização da região nordeste do Brasil: 1970-1996. Revista de Economia, v. 31, n. 2, 2005.

WILBANKS, T. J. et al. Industry, settlement and society. In: Climate Change 2007: Impacts, Adaptation and Vulnerability, Contribution of Working Group II to the Fourth Assessment Report of the Intergovernmental Panel on Climate Change. Cambridge University Press, 2007. p. 357-390. Disponí­vel em: <https://www.ipcc.ch/site/assets/uploads/2018/02/ar4-wg2-chapter7-1.pdf>. Acesso em: 30 abr. 2020.

Publicado

14-05-2021

Como Citar

TEIXEIRA, R. L. P. .; PESSOA, Z. S. .; DIAS, E. M. S. .; ALVES, E. P. Q. . MUDANÇAS CLIMÁTICAS, CAPACIDADE ADAPTATIVA E SUSTENTABILIDADE: REFLEXÕES A PARTIR DAS CIDADES DA REGIíO SEMIÁRIDA BRASILEIRA. Revista Geotemas, Pau dos Ferros, v. 11, p. e02106, 2021. Disponível em: https://periodicos.apps.uern.br/index.php/GEOTemas/article/view/3175. Acesso em: 1 mar. 2024.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)